domingo, abril 25, 2010

O FIM DE UMA GERAÇÃO DE ALUGUER


Ora viva


Obrigado pelas mensagens..mimos e desabafos...

Já repararam que a multinacional Blockbuster está a fechar portas. O fecho de mais esta loja, vítima de uma crise qualquer que ainda não percebi se é económica ou social, dita o fim de uma geração.

Termina a geração do ver um DVD em casa, é claro que agora o podemos escolher a partir do serviço da TV cabo, mas finda a magia do sair de casa, entrar numa loja cheia de posters a fazer lembrar um cinema, desfilar por montes de titulos, pegar nos DVDs, ver os casais a escolher o melhor filme para a sua noite, comprar umas pipocas, enfim....sair de casa para escolher um bom filme....para uma boa noite.

Caramba. É uma rotina que termina, porque tudo nos entra em casa, e pronto, já está! A mim, às vezes, apetece-me escrever à mão, enviar cartas, colar selos com a língua, ver Dvds alugados....

É mais que uma rotina que termina, é um sinal de uma geração que FECHA PORTAS.

Importante? Tem a importância que tem.

Abraços

7 comentários:

Fabíola disse...

Tens toda a razão, Helder!
Também tenho saudades de ler o jornal e escrever cartas para as amigas.
Mas o pouco tempo que esta sociedade nos dá não chega para tudo, infelizmente.

Não podia concordar mais com o teu post.

Anónimo disse...

ah, não me identifiquei! Pedro Sá, Esmoriz, pedro@scei.com.pt.

Anónimo disse...

Caro Hélder,
Escrevo-te aqui porque o blog está moderado e assim podes ler sem ter que publicar.
Por estes dias fui atingido por umas saudades dos meus amigos. E como tipo da tecnologia que sou desatei a procurar na Internet o que era feito de uns quantos que me foram passando na memória.
O curso da Vida afastou-me de quase todos, de ti incluído. De todos os amigos és o mais mediático, logo o mais fácil de encontrar, mas ainda não tinha encontrado uma forma de contactar sem ter de usar canais mais gerais e indirectos.
Gostei muito de te ver atrás das câmaras, após abandonares o seminário e a provável vida de sacerdócio. Se Deus gosta de escrever direito em linhas tortas, o teu percurso de vida foi um desses escritos. Todos pensavam que virias a ser sacerdote, mas Deus reservou para ti uma outra tarefa, que talvez seja única no nosso país. Talves não te apercebas disso, porque apenas te limitas a ser aquilo que és, mas naquilo que é visivel na TV, desempenhas a missão de um sacerdote fora do altar e do confessionário.
Dar conforto e alegria às pessoas, de lhes dar importância que têm como pessoas independetemente de quem são, são tarefas de um sacerdote, de um pároco, que tu fazes no teu dia a dia. A tua paróquia acaba por ser imensa - Portugal inteiro!
Curiosamente, ontem quando o Santo Padre falava no CCB, pedindo aos agentes da cultura e dos média que levassem a mensagem de valores da igreja à sociedade, lembrei-me que tu já o fazes. No fim de contas tens uma vocação virada para a ajuda ao próximo, mas que praticas de uma forma diferente dos outros. Alguêm tinha de o fazer... Um grande abraço

Anónimo disse...

E o que fazer a todas aquelas cassetes de vídeo, com aqueles filmes que nos marcam mais do que qualquer filme milionário, repleto de tecnologia? … aqueles filmes legendados por vezes a cor amarela que nos levam, ainda hoje, para um mundo diferente, cheio de bons sentimentos!
“não saia de casa, nós vamos até si” mas esquecem-se do prazer real de tocar, ver, escolher, recordar … a evolução tem destas coisas.
Eu continuo no verão a ir à loja escolher um bom filme..
Poderia era ser mais vezes, sempre que quiséssemos, da forma que quiséssemos. Mas a vida também tem destas coisas.
Eu cá vou passando.
Um abraço
Anónimo82

Anónimo disse...

Sr Helder gosto tanto de ler o que lhe vai na alma.. para quando outro post?

Daniela disse...

olá Helder... tentava encontrar alguns sítios, locais bonitos em Portugal (neste momento trabalho no estrangeiro e pouco conheço do nosso lindo Portugal...)e eis que vim ter aqui ao teu cantinho numa postagem sobre Trás os Montes...escusado será dizer que adorei!!!

Gosto de ter ver na televisão mas também adorei ler-te pois transmites a mesma calma, serenidade, simpatia, sabedoria e muito, muito mais...

Vou adicionar o teu cantinho aos meus favoritos pois este é a partir de agora, sem dúvida, um dos meus locais favoritos...

Um abraço e tudo de bom para ti

Anónimo disse...

A mudança implica sempre um sentimento de insegurança. O medo do desconhecido, a necessidade de parar, reflectir, assimilar e acomodar dentro de nós as diferenças. Por vezes, não as queremos aceitar e perdemo-nos vezes sem conta nas lembranças retidas na memória. Mas, a evolução essa apenas é feita do passado, aperfeiçoado no presente e erguido no futuro. O;D