segunda-feira, junho 03, 2019

MÁ LÍNGUA. LÍNGUA BOA








A língua é um órgão sensorial e muscular com esqueleto ósteo fibroso. Tem 17 músculos e nunca se cansam porque são músculos voluntários e são os mais fortes do nosso corpo. Tem 10 centímetros e é a parte humana que mais rapidamente se cura. 3 mil papilas gustativas e a língua dos homens é maior que a das mulheres, e aqui para tudo! Tamanhos à parte, há línguas tão compridas que se assemelham a um livro aberto onde todos podem escrever, uma Wikipédia corporal!! 

Não sei se sentem isso na roda da vossa vida, mas eu vivo cercado de má língua. Todos sabem mais que os outros, por isso os outros são isto e aquilo. Os outros são mais ricos, pois, se eu tivesse feito isto e conhecido aquele ou aquele outro também eu seria. Ahhh gosto muito dele, é um amor, mas… e aí vai disto. São todos mais profissionais do que o profissional do qual estão a lançar o seu brando o inocente veneno. Os outros isto, os outros aquilo, os outros mais não sei o quê. Há sempre os extremos, os que passam a vida a falar dos outros e aqueles que se consideram tanto, mas tanto, que passam a vida a falar deles próprios, citando-se a eles mesmos, entre rasgados auto elogios, cobertos por uma fina camada de humildade, como um delicado glace de açúcar, mas em vez do doce, fel, muito fel. Pela boca jorra a água e a palavra. Pois, nem sei por onde escolher. Fico-me pelas estratégias que apresento no finzinho deste texto, mais vale.

A honra é defendida na lei artigo 138 a 140 ( para o caso de precisar), mas até onde vai a desonra que podemos infligir sobre os outros? Aí mora a má língua.
Na idade média havia a trova de escárnio e maldizer, virou estilo literário. Mas caramba, era arte e publicamente se dizia o que ia no ventre do pensamento, o mais público possível. Será que estas línguas contemporâneas também andam a lutar por ser estilo literário e não me dei conta, e estou a passar por grande ignorante ao escrever estas humildes palavras? Ora bolas para mim.

Há muito que nas costas dos outros vejo as minhas, cravadinhas de má língua. É vida. Por isso decidi deixar de alimentar conversas onde o tema seja alguém que não está na conversa. O silêncio é de ouro, acreditem. Óbvio que já embarquei nestas infelizes tacadas de péssima personalidade, e lamento-me por isso. Mas como acredito sempre na mudança, há uns anos decidi mudar de rota.
Estratégias. Bom, a vida dos outros só é interessante se a minha for o desinteresse por completo, por isso, invisto na minha vida. Não é por encher a vida de gente que estou mais acompanhado, por isso, só me acompanham os essenciais à minha felicidade. Curiosamente são cada vez menos…Tenho feito uma espécie de purga social, tem de ser. Há vários preços a pagar com estas estratégias, acreditem, mas na balança das relações, vale bem a pena. Fico mais leve, e leveza nunca fez mal à alma. Mas aos 43 anos sinto que está mais do que na hora. Sou contra o falarem desde que falem, e dispenso que falem cobertos pela falsa misericórdia do “ não é por mal…” Caladinhos, caladinhos é que estão bem os que não têm mais vida do que alguém!!!

Quem não é visto não é falado. Acreditem, vale a pena tentar. Para todos os que não sabem o que fazer com a língua, deixo o link de uma bela música e um ótimo vídeo.





segunda-feira, maio 20, 2019

NÃO HÁ AGRICULTORES TRISTES








Somos natureza. Uns mais respeitadores que outros pela essência, mas vimos e vamos para lá. Nos meus 20 anos de televisão é pouco provável que me falte entrevistar pessoas de determinado sector laboral, e nunca entrevistei um agricultor triste. Acreditem, já entrevistei muita gente de áreas de sucesso, gente de palmarés sociais e que estavam afogados em tristezas. Mas agricultores não, sempre serenos, ponderados e felizes com a vida que fazem. Acertaram o relógio interior com o ciclo da natureza, e aprenderam que nem tudo depende nós, a aprenderam a viver do que a terra dá. Eu sei, nem todos os agricultores vivem este sossego de espírito, nem respeito pelo ciclo da terra, mas são poucos.
Sou, também, um jovem agricultor. Há 4 anos que me dedico às abelhas e sim, estou a operar e a sentir uma grande revolução no meu jeito de ser. A vida é rápida, mas as estações do ano cumprem-se no mesmo tempo, a chuva e o sol, são o que sempre foram e dão o que sempre deram. Eu sei que, infelizmente, a natureza reclama a sua ordem natural, porque nós metemos o nariz onde não eramos chamados.
É… a vida pede ciclos de calma à lareira do inverno, doçuras de primavera, relaxe de verão, reconversões de outono. Basta ouvir-nos com a natureza por perto. Há muita gente feliz com o bater do coração da terra.

quinta-feira, maio 16, 2019

TORRE DE BABEL. STOP.

                                                                                              ÁFRICA.2019


Haveria o sonho de uma torre com nome de Babel, onde a língua era entendida por todos. O Senhor assim não quis, para que o homem fosse diferente e universal, tal como comunicacional. Conta-nos o livro dos Génesis, sobre a torre de Babel e a Babilónia. Vale a pena aprofundar. Agora só lhe quero perguntar, quantas vezes sentiu que falava para uma parede, que nem torre chegava a ser? Quantas vezes usou de toda a sua eloquência e a sua mensagem nem penas nas asas ganhou? Pois é, nem sempre falar é conversar. E há milhões de vezes, tal como as estrelas, em que é muito mais fácil conversar e ser entendido por estranhos do que por conhecidos. Certo?

O problema das múltiplas línguas não é não as sabermos, mas sim não as sentirmos. A palavra que se expressa pode ter carne, músculos e pele. Não há nada de mais fascinante do que comunicar com um cego, um surdo, um estranho estrangeiro. Tudo ganha mais intensidade, força, dimensão. Ganha porque queremos MESMO chegar ao outro. No dia a dia sucede-se a coisa. Chegamos quando queremos e quando não estamos para aí virados, somos tijolos a falar para paredes. Afinal de contas, até sabemos o que é um STOP, mesmo que dentro dele se escrevam outras letras e outras palavras. Basta saber não parar a vontade de comunicar. Ser Babel seria não ter fronteiras, línguas nem identidades. Nem o Senhor quereria, porque antecipou, no princípio do homem, o medo que um mundo global acarreta. A mim, não me metem numa forma.

quarta-feira, maio 08, 2019

ONDE GUARDAS A LIBERDADE?




                                                                                    ano 1998


Há uma liberdade, ou muitas liberdades que cabem na grande e única liberdade? E o que é ser verdadeiramente livre? Podes ser livre preso ao corpo inerte, ou és livre numa mente sem amarras? Somos livre porque nos vestimos como queremos, dizemos o que pensamos, agimos com a vontade, não nos reprimimos, somos sexualmente o que somos e somos gente na plenitude do ser-se? É isto?
E chega-nos? Claro que não. Temos a liberdade, conquistamos a liberdade, ou vai-se adquirindo liberdade com o tempo? Nascemos livres, ou condicionados logo à nascença? E onde, onde é que nos sentimos verdadeiramente livres? Dentro ou fora de nós?

Eu sou um pensador assumido. Fraco filósofo, mas dou tempo ao pensamento... E estas questões batem-me à porta dezenas de vezes ao dia. Não tenho respostas para quase todas. Mas exercito a minha liberdade diariamente. Não me contrario na felicidade e na tristeza, deixem-me estar. Não me obrigo a quase nada que não me faça bem. Não estou com quem não gosto, sempre que posso escolher. Faço o que me apetece fora das conveniências. Sim… ando no caminho da liberdade. Honestamente, acho que há uma liberdade, a maior de todas, que se chama maturidade. Infelizmente com a adultez vem os desprendimentos do que até era agradável, mas não me fazia bem. Vem o luto. Vem uma série de dores. Não acho nada que a vida seja sofrimento, mas acho que, claramente, há uma dose de sofrimento inerente ao ser-se maduro, por conseguinte, ao ser-se livre. Tudo, mas tudo, é um exercício. Acredito profundamente. Nós podemos ser tudo, na dose do bom, na dose do mau. A liberdade é um grande e pleno exercício. Usufruir dos direitos à liberdade, pede de nós a maior das provas, a mais inteira das responsabilidades e seriedade. Não há pessoas sérias que não sejam livres. Não há pessoas imaturas livres.
Onde somos livres? Eu, definitivamente, na praia.

Liberdade

Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impureza,
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente,
Puro espaço e lúcida unidade,
Aqui o tempo apaixonadamente
Encontra a própria liberdade
.
Sophia de Mello Breyner Andresen


PS As fotografias foram tiradas na minha praia, a de Esmoriz. ano de 1998. Pelo meu amigo Juca. Numa das fases mais negras da minha vida. E sim, a praia fez-me sorrir e recomeçar-me. E sim, o cabelo estava horrível!! :))))))

quinta-feira, abril 25, 2019

HÉLDER, JÁ NÃO ÉS QUEM ERAS !




Na verdade, não sou nada quem era. Porque criei uma opinião que, orgulhosamente, não é sempre a conveniente, porque penso no que digo e quando pertinente, digo; expresso-me, porque vejo e retenho, porque ouço e destrinço. Porque não alimento verdades que servem interesses.

 Pobres aqueles que não sabem o valor dos olhos, da boca, das mãos livres, dos ouvidos astutos. Antes deste saber dos meus sentidos, recolhia-me dentro de mim, com um certo medo da afirmação. Mas caramba, que medo pode haver em ser fiel a mim e não andar ao sabor da opinião dos outros, como bailarina de vontadinhas que não as nossas? A sociedade, a família, os amigos, os colegas, têm uma certa habilidade em nos esmagar o eu, e só nós podemos salvar a nossa identidade. Só nós.

A vida exige atenção, a atenção pressupõe mudança, e quem não nos acompanha fica pelo caminho, aquele caminho que visualizamos para a nossa vida, e tantas vezes o retratamos em belas fotografias, selfies incríveis e frases feitas, ditas por outros. Não acredito em caminhos solitários, mas também sei que deixamos no passado quem não nos acrescenta para futuro. Sei bem do que falo. E estou certo que quem me lê também já sentiu este desapego para a demanda do avançar caminho!

A vida das pessoas livres não é fácil, mas é tão mais intensa, sedutora, perfumada, rasgada, autónoma, descalça, serena, revolta, levantada, independente.

Tenho 43 anos. Nunca usei tão bem da razão livre dos meus sentidos, da minha inteligência emocional, como agora. Esta liberdade não tem preço. Não vale a pena taparem-nos os sentidos com fitas coloridas ou camufladas de bondade e inocência. quem tentar abafar-nos a existência é como que um assassino de carácter. Matar um carácter é um crime indefensável no tribunal que julga as almas pesadas de culpa e de falsa moralidade. Nem todo o ladrão que rouba para comer, deixa de ser ladrão por ter fome.

Natália Correia escreveu tão bem: Não há revolta no homem que se revolta calçado. Tenho a sorte de desde muito cedo gostar de andar descalço; agora percebo porquê!

António Variações deixa nesta canção uma bela lição!


Divirtam-se.

sexta-feira, abril 12, 2019

AMOR DE ALECRIM






Com o risco do excesso, não vivo sem alecrim. É um arbusto, abunda em Portugal, gosta de lugares secos, e se o tempo for quentinho, dá flor todo o ano. A medicina e a farmacêutica gostam do seu uso. Das flores do alecrim retira-se uma água destilada que se chama: água da rainha da Hungria, sorte da rainha que desta água faz uso. A flor é singela e de um azul apaixonante. Uso a flor na minha cozinha, o alecrim nas minhas infusões, nas batatas assadas, no pão torrado com azeite; coloco-o na mesa, para receber visitas, e ofereço-o sempre a quem mais gosto. Um vaso de alecrim, é o amor plantado. Os romanos faziam coroas de alecrim e com elas celebravam divindades. Para o cristão é símbolo de fidelidade. Para mim, é a melhor expressão da festa.

O alecrim serve a dor e a alegria. Nos países nórdicos, os caixões são cobertos de alecrim. Acredito que para perfumar e perpetuar a vida. Eu uso-o sempre para celebrar. Há um provérbio que nos diz. Quem pelo alecrim passou e dele não colheu, ou nunca teve amor, ou dele se esqueceu. Eu tenho uns 10 alecrins em casa, e quando na rua passo por um, apanho sempre um raminho. Enquanto lhe escrevo, bebo uma infusão perfumada de alecrim. Tenha alecrim perto de si, porque rapidamente se vai aperceber que aos molhos, só mesmo os de uma vida boa!

até já

quinta-feira, abril 04, 2019

OS LIMÕES DESTA VIDA!!






Quando olho para um limoeiro olho para um lugar perto da perfeição. Frutos que me fazem lembrar o verão de todos os anos, um aroma a liberdade, a perfeição na cor. Apanhar um limão é a soberania da vontade própria. Afinal é fácil ser soberano de nós mesmos. Não que o limão seja o tesouro que nasce nas árvores, mas é a melhor personificação que tenho do tempo. O meu tempo de infância, quando fazia limões espremidos na água fresca do poço; o meu tempo de espera para que o limão ganhe a cor certa para ser colhido, o tempo de o descascar, espremer, para usar à volta de uma mesa.

Limão e solidão rimam, provavelmente andam juntos, neste movimento animal da existência. Honestamente, casam-se bem. Precisamos de limão para uma boa limonada, e de solidão para o crescimento. Não há outro remédio para a maturidade, uma boa dose de solidão. Olhar para a janela, perder-se nas paredes de casa, viver no horizonte mais infinito que avistamos da varanda. Incomodarmo-nos com os nossos pensamentos até que eles sejam pronunciados. Confrontar a ideia. Chegar perto de um limoeiro e apanhar um cesto de solidão, e só depois fazer com ela a vida, como se fosse limonada, como se tudo fosse um solene limão. Da mão ao pensamento, da boca ao sumo, do corpo à inteligência.



Arranjo gráfico David Reis