sábado, agosto 07, 2021

A VIDA É SEMPRE FÉRTIL

 


A vida é sempre boa. Fértil, como um ventre materno. Nele cabe o futuro, e não há futuro mirrado de sonhos e alturas. Somos feitos da matéria do dia, o dia seguinte.

Sugiro que o próximo dia seja visto sempre no lugar que mais amamos. Na praia. No quarto do filho. Nas mãos da mãe. No abraço do pai, do irmão, do amor. Na varanda branca. Nas escadas luminosas. Escolham o lugar seguro,  como se faz na meditação, e olhem para o vosso futuro, se for preciso vistam-se de esperança, porque amanhã tudo será melhor, vai ver que sim. O nascer do sol é o momento mais Fértil de todas as horas do dia. 


Até... amanhã 

segunda-feira, julho 05, 2021

O QUE QUERES FAZER?


 Há dias, numa entrevista à minha querida Cristina Ferreira, ela perguntou-me: mas o que queres ser? Só a astúcia pura, delicada e inteligente da Cristina Ferreira para me despertar para os meus caminhos... Tão bom. Tenho 46 anos, e abri na minha vida lugares que me permitem perguntar, afinal, que sítio queres para a tua vida? Onde vais-te cumprir, que ofício, que lugar? Não sinto que haja sempre necessidade de escolher, a vida vai-nos dando e tirando, e a coisa torna-se clara. Ou seja, a vida vai-nos escolhendo, também, caminhos que plantamos, como árvores.

O importante è dar à vida opções... o resto acontecerá. Eu sei.

 Tenho-me dedicado à meditação, por convite sereno da minha tão delicada e preciosa amiga Cristina Alves ( já lá vão 20 anos de nós). A Cristina tem-se erguido, numa vida alucinante, pela meditação. Mente sã, corpo forte, e coração limpo, é assim a Cristina. Tão minha, e quem a vai tendo, nunca mais a quer deixar, porque nos acrescenta. A meditação a que ela me seduziu, tem-me serenado, feito olhar ainda mais para dentro de mim, fechar os olhos e fortalecer-me; e tudo isto levo para os meus caminhos. Apresentador da RTP, apicultor e escritor. A música está-se a diluir. E aqui ando eu, feliz nos trilhos, a ser e a fazer tudo isto, sem optar, mas a exercer. Serenamente. Com felicidade. Se um dia tiver de escolher? Eu sinto que serei escolhido por estes caminhos, não vou precisar de ser eu a escolher. Até lá... faço o caminho, a assobiar de alegria. 

Duas Cristinas fizeram-me pensar em tanto disto. A Cristina que pergunta e observa, e a Cristina que medita e contempla. Que bom, que sorte a minha! Eternamente grato.


Hélder

domingo, junho 13, 2021

A TIRANIA DA LIBERDADE

 


Não há maior liberdade do que a de poder. Poder recomeçar, acabar, fazer silêncio, rir alto, andar nu pela casa, vestir como se quer, comer fruta das árvores, abrir as mãos numa serra alta, apanhar chuva, apanhar sol. Calar-se durante uma discussão. Olhar. Dizer não. Dizer sim. Dizer o que ninguém estava à espera. Ter opinião. Expressar-se.

 Uma tirania livre; a tirania é cruel, injusta, e a liberdade também é, para com todos os que não sabem o verdadeiro grito do que é ser-se livre. Tenho pena dos amarrados; amarrados a complexos, a favores, a compromissos ridículos, amizades distorcidas, vergonhas, medos, palmadas nas costas, mal dizeres, enfim... tenho pena dos medíocres, um medíocre nunca será livre. Vai ser sempre pequeno, atado à pequenez. Um Portugal dos pequenitos em forma de alma, e para sempre, e sem encanto, muito menos ...com liberdade.

segunda-feira, maio 10, 2021

A ARMA

 


Sou contra qualquer espécie de violência, bem como o uso de armas. Mas, por vezes, paro e tento colocar-me nos olhos e nos músculos das pessoas que vivem sob o cano de um disparo. Obrigados a fugir, a morrer mais fundo que a morte, a verem morrer quem amam, a deixarem-se morrer, mesmo que não morram da arma, morrem da falta da vida que tinham.

São homens contra homens. Os mesmo que suam, amam, riem, choram. São iguais para iguais. Não vou dar exemplos, porque nem sempre os mais mediáticos são os mais dilacerantes. Fico-me pela globalidade da realidade. Há pessoas cuja luz não existe,  é a sombra do cano de uma arma.

Depois, volto ao meu mundo, e qualquer espécie de afronta, injúria ou calúnia que me atentem, honestamente, não me faz nada; porque o mundo ensina-me a perspetivar se o que me fazem é assim tão danoso. E na verdade... faz-me rir de pena dos pobres que acham que de algum modo irão magoar, ferir, denegrir...; a mim, tornam-me mais forte, aos olhos do mundo, torna-os ridículos.

quinta-feira, abril 15, 2021

O LADO DA LUZ

 


Eu gosto é da luz, não precisa de ser quente, precisa de ser limpa, clara, fortalecedora. Gosto da luz na pele, nas casas, nas árvores, gosto da luz nos rios e no mar, da luz antes da sombra. Gosto da luz a bater na roupa lavada, luz nas idas de bicicleta, nas escadas, nos muros brancos. Gosto da luz da lua, do sol, das velas e das pessoas. A luz lê-me, limpa-me, aquece-me e desnuda-me, como se fosse para um novo batismo.

Tenho conhecido gente escura na alma, que não conhece o sentido da luz, e por isso vivem numas trevas pintadas de cor clara, para disfarçar, nem branco conseguem ser, porque o branco é só para gente honesta, de honra na boca. Gente baça, como quando os óculos apanham ar quente, há gente assim. Triste gente e que tenta roubar a luz dos outros, para a transformar em qualquer outra coisa, porque a luz incomoda os medíocres, aqueles para quem a palavra e a verdade são coisas para se defenderem mas nunca se praticarem. A maravilha desta gente é que aumenta o sentido da luz, acresce valor à importância, em vez de sugarem e apagarem, fazem o contrário, rejubilam a luz dos outros. E depois, esta gente baça, vai para casa às cegas, porque não há luz que os queira. Nós queremos a luz, mas a luz também tem de nos querer. O sol é para todos, mas a luz não.

Sejam felizes e bons uns para com os outros, mesmo que custe!



domingo, março 21, 2021

A FELICIDADE

                                                                                        



                                                                               
A felicidade não é sorriso nem gargalhada. A felicidade é outra coisa, menos audível, mais interna que externa. A felicidade habita, serena, no fundo dos olhos, na superfície da alma, no sangue dos sonhos. Felicidade é o silêncio cheio de vida, o segredo do vento, a delícia das mãos dadas. É viver sem dever, mas por querer, com prazer de quem bebe com sede e descansa nas sombras das árvores. Felicidade é a paz dos rios e do mar em mês de junho; é chegar a casa e sentir o calor de quem nos espera, de velas acesas e casa arejada com flores na mesa.

Felicidade é dizer não. É respirar livremente, o mais livre que os pulmões conseguirem, Em casa, no jardim, na varanda, na praia, na serra, de mãos amarradas a quem amamos. É fazer caminho com quatro pés e dois corações. Felicidade é água limpa e fresca, rio corrido, mar leve, areia fina, mãos abertas, corpo descansado, cabeça limpa. Felicidade é um livro lido com tempo, uma canção ouvida as vezes sem fim, é acordar noite escura e abrir a janela para a lua entrar.

Felicidade é sermos fieis a nós, essencialmente a nós, para podermos cumprir a responsabilidade de se ser feliz com os poucos que sempre amaremos.


Até já

quinta-feira, março 18, 2021

O TEMPO QUE O TEMPO ME DÁ



 Tempo. Quanto tempo já perdemos a pedir e sonhar com mais tempo. Hoje, por motivos nunca imaginados, a vida está a dar-nos o desejado, e nem precisamos de lamparina de aladinos. Mesmo assim, agora reclamamos que já não sabemos o que fazer com tanto tempo. Nem sei bem como organizar ideias, ora não temos e queremos, ora temos e não sabemos o o que lhe fazer. Tão típico de nós, gente de pensamentos altamente elaborados e com tudo sob controle. E cá andamos sem saber o que fazer com a fortuna do tempo, já que de saúde andamos de credo na boca. E mesmo assim... descontentes. Eu percebo, mas mesmo assim, caramba, é um cheque de tempo. Para fazer, não fazer, piscar olhos ao sofá, aos livros e discos, e saborear o nada, que nos limpa a cabeça.

Tenho um amigo que fica muito alarmado por não fazer nada, eu já fui assim por não fazer nada que seja quantificável, lucrativo ou instrutivo; e agora não me pesa em nada na consciência, e já lhe disse para experimentar, o não fazer nada. Às vezes saio só para respirar, sentir o sol na pele e ver as copas das árvores, na verdade estou a fazer muito, pela minha serenidade e paz interior, mas sem instrutores, aplicações ou livros. Só eu e o meu tempo no bolso e no coração. Sorte a minha.

Às vezes é o que nos basta para ocupar tempo, darmo-nos ao sabor de liberdade de pensamento, sem porquês, como Alberto Caeiro se deveria passear na cabeça de pessoa. Digo eu.

O que ganho com isto, saúde mental, liberdade, desprendimento, silêncio, serenidade, disponibilidade, segurança. Na verdade é uma balança bem cheia, para o não fazer nada... como as coisas são, como a vida é.

Saúde e protejam-se, até da tentação de abarrotar o vosso tempo.