domingo, novembro 11, 2018

SOBRE A FELICIDADE



                                  fotografia HR


Deixei a tristeza no ventre da minha mãe. Disse-me hoje um senhor, que me perguntou se eu estava bem, e devolvi-lhe a mesma pergunta.

Eu? Sou um homem feliz. Não sou sempre feliz. A felicidade habita acima da alegria e do estar bem, a felicidade é um cimo das escadas, um final de metas, um chegar a destinos, um agarrar com força. Nunca confundi felicidade com alegria, já estive tantas vezes com alegria e tristeza. São intensidades diferentes. E não meio termo. Ou estás ou não estás feliz. Aliás, não suporto os meios termos, ou sim ou sopas.


A felicidade dá trabalho, como o sucesso, o amor, a paz, a serenidade, o silêncio, a reconciliação. Não acredito nada na sorte, no destino, no já tinha de ser... Eu já recomecei algumas vezes do zero, em nome da felicidade, já fechei portas, encerrei ciclos; e muito em breve voltarei a fazer. E dói. Dói muito, sofro e faço sofrer, mas eu tenho de estar em primeiro lugar na minha história, para conseguir amar e estar na história dos outros.

A tristeza é um mal que nos rompe as membranas da felicidade, e mais vale deixa-la no sítio de onde vimos. A vida é um movimento cheio de voltas, destinos fracassados, saudades eternas, casas vazias, dores no corpo sem remédio, e tanto mais. Por tudo isto, entendo que a felicidade dá trabalho e que a tristeza é uma raiz que devemos deixar na terra de onde nos fazemos.

HR

domingo, novembro 04, 2018

SOU DO RISO

 

 Rio por tudo. Rio por nada. A minha mãe, nas doses longas de educação, quando me perdia nas mesmas gargalhadas que ainda me perco, bem me dizia: muito riso... pouco juízo. Saio-lhe a ela, mãe. As vezes que a vi perdida de gargalhadas, que nem os olhos abria, porque a cara os serrava. 

Acontece-me tantas vezes, com amigos que basta um olhar para que se solte a gargalhada como se fosse uma cascata de doces e nós as crianças a querer provar de todos. Eles sabem uem são...

Quero lá saber o que dizem os outros por me verem rir tanto... os outros serão sempre só os outros. Mas falam e acham-se sérios por não se perderem no riso. Chatos na ilusão do seu juízo... loucos na aborrecida seriedade. Não é isso que nos faz...

Não me rio sempre. Mas rio sempre que me apetece... mesmo sozinho. E chega-me. Descobri a força do meu sorriso de sempre na televisão. Primeiro veio o meu riso e depois a minha forma de fazer televisão. E o juízo é o de sempre. Na vida? Na vida, rir tem sido uma bela arma nuclear.

Muito riso... bendito juízo

HR




                  




segunda-feira, outubro 29, 2018

PASTORES DE SILÊNCIO

                                                                                               fotografia HR


Deixa-me ser pastor, rebanho, pasto, nuvem. Deixa-me ser o que eu quiser. Mas olha para mim e por mim, sozinho acho que perco o caminho. Preciso de um cajado. O que é um cajado? Podes ser tu. Ou só metade de ti. É possível sermos metade de nós em tanta coisa da vida. Até para os outros.

Ser pastor, expressão bíblica que eu sempre venerei, pode ser o melhor sinal de companhia, abrigo, silêncio e dedicação. Pode ser Deus e podes ser tu, claro que também posso ser eu. Ainda há pastores de pessoas, porque todos precisamos que nos guiem. Mente quem disser o contrário. Ás vezes perco os meus, sorte a minha que os encontro, no meio das coisas da vida, que são piores que as ervas mais altas. Ervas daninhas... essas dariam outras palavras.

Hoje fico-me pelos pastores, de gente e de silêncios.

HR


quinta-feira, outubro 25, 2018

DESISTIR É UM PODER ABSOLUTO


Desistir não é para os fracos. Desistir é ambição dos valentes.

Desistir de uma relação é uma decisão inegavelmente importante e que só os casais determinados têm a coragem de não se arrastarem em falsos e adiados amores, em nome de um futuro que já é passado.

Desistir de um trabalho e mudar a rota é prova de elevada capacidade de querer outra coisa que não a que estamos a fazer... pela felicidade do exercício. Não há ordenado para a felicidade.

Desistir de enfrentar uma terrível doença terminal é um gesto de elevadíssima ponderação, maturidade, seriedade e amor pela vida que se quer qualitativa.

Desistir de maquilhar a dor e assumir que se vive uma depressão e está na hora de parar, chorar, gemer alto e sem pudor; cuidar da mente que por não se ver, não é menos orgânica do que os nossos pulmões ou coração.


Desistir é só mudar a rota de uma vida que é navegação de uma viagem onde somos livres de escolher o caminho, o transporte, a companhia e o destino. E isto é um poder inatingível.

Para todos os que já desistiram... só vos digo: valentes!

HR

domingo, outubro 21, 2018

AMOR DE ALECRIM



Alecrim. A melhor materialização que tenho do amor. O alecrim é uma planta resiliente, determinada na existência. É difícil que uma planta de alecrim não sobreviva numa terra perto de si. Aromática. Relaxante. Com flores comestíveis que me lembram o céu. Uma infusão de alecrim perfuma a sala e só me dá momentos felizes.

A minha vida não é complexa. É simples e intensa como o alecrim. Por razões que só eu sei, o alecrim foi escolhido para ser a planta que cria raízes na terra da minha vida, para dar corpo a tudo o que é bom e feliz no meu tempo. O amor precisa de outros corpos que não os nossos... pelo menos o meu precisa. E escolhi um outro corpo para o amor respirar, e tinha de ser verde, sereno e mais forte do que o que parece. Assim é o alecrim... que para os romanos lembrava o mar.

A vida é assim... precisa de outras raízes para além dos nossos pés. O meu amor assim...

E bebo-o, todos os dias, serenamente, como se deve beber o amor. Que sorte tem a minha vida por ter raízes de alecrim.


HR

segunda-feira, outubro 15, 2018

Empresta-me o teu azul

Empresta-me um pouco de azul
Porque hoje estou vazio
Vazio é sempre que estamos descolorados
Descoloradas são as pessoas que estão sem lugar
Empresta-me do azul dos teus olhos
Ou então deixa-me afogar nessa tua cor
Porque hoje nada me pinta a alma.
Pelo azul dos teus olhos                      eu recuperava a respiração.
Coisa que me falta na tua ausência.
Sacana da morte que nos leva quem amamos e nos deixa o amor sem termos quem amar.
E o azul... emprestas-me ou não?
Hoje não garanto que te devolva.
Amanhã. Talvez amanhã

         
                     HR conversas com o céu

segunda-feira, outubro 08, 2018

NU NA PRAIA



 fotografias HR 2018






Foram 9 dias de praia. Água tão morna como transparente. Areia fina a engolir a água meiga do mar . Um sol dourado, a querer dourar. Cheguei aqui um caos de pessoa. A precisar de um silêncio acolhedor e espaçoso, que só a praia teria. E teve. Uma casa de janelas para chaminés brancas e porta para o mar. Uma cama de rede. A vida haveria de ser uma cama de rede. Debussy, que parece sair da minha seiva, e a vida fez-se.

Vi gaivotas em banhos pesqueiros. Incríveis mergulhos. Os delas e os meus. Porque o mar me proibia de não o experimentar, repetidamente. Havia ainda maçãs. Roer maçãs na praia, a lembrar os GNR, é um alimento para o palato da alma.

Li 5 livros. A poesia de Sophia, porque a praia manda; Tolentino, era obrigatório para a liberdade; Miguel Esteves para me dar um Portugal dele; Ishiguro para receber mundo, e a biografia de Nevada Hayes. Substitui as pessoas por livros e as redes sociais pelas conchas. Correu-me bem.

Grelhei peixe todos os dias e com ele grelhei as correrias do dia a dia, ainda que todos os dias eu corresse, no meu tempo, uns saudáveis 8 km, para suar o corpo e a alma. 

Bebi esta vida toda com um bom vinho do norte ao sul. E em 9 dias... despedi-me do Verão e despi-me de mim, para me vestir de serenidade de maresia. Porque da vida o melhor que recebemos... sabe a mar e a amar. E fui forte. Mais forte do que eu. Mais forte do que o mar... como canta Cristina Branco.

O titulo deste texto era só para chamar a atenção. Não me levem a mal. Mas as vergonhas são para serem tapadas. Mas despi-me de confusões ... ai isso sim... e sem pudores, porque para ser livre e inteiro, tem de ser agora, amanhã será tarde.

Divirtam-se .

HR