segunda-feira, junho 03, 2019

MÁ LÍNGUA. LÍNGUA BOA








A língua é um órgão sensorial e muscular com esqueleto ósteo fibroso. Tem 17 músculos e nunca se cansam porque são músculos voluntários e são os mais fortes do nosso corpo. Tem 10 centímetros e é a parte humana que mais rapidamente se cura. 3 mil papilas gustativas e a língua dos homens é maior que a das mulheres, e aqui para tudo! Tamanhos à parte, há línguas tão compridas que se assemelham a um livro aberto onde todos podem escrever, uma Wikipédia corporal!! 

Não sei se sentem isso na roda da vossa vida, mas eu vivo cercado de má língua. Todos sabem mais que os outros, por isso os outros são isto e aquilo. Os outros são mais ricos, pois, se eu tivesse feito isto e conhecido aquele ou aquele outro também eu seria. Ahhh gosto muito dele, é um amor, mas… e aí vai disto. São todos mais profissionais do que o profissional do qual estão a lançar o seu brando o inocente veneno. Os outros isto, os outros aquilo, os outros mais não sei o quê. Há sempre os extremos, os que passam a vida a falar dos outros e aqueles que se consideram tanto, mas tanto, que passam a vida a falar deles próprios, citando-se a eles mesmos, entre rasgados auto elogios, cobertos por uma fina camada de humildade, como um delicado glace de açúcar, mas em vez do doce, fel, muito fel. Pela boca jorra a água e a palavra. Pois, nem sei por onde escolher. Fico-me pelas estratégias que apresento no finzinho deste texto, mais vale.

A honra é defendida na lei artigo 138 a 140 ( para o caso de precisar), mas até onde vai a desonra que podemos infligir sobre os outros? Aí mora a má língua.
Na idade média havia a trova de escárnio e maldizer, virou estilo literário. Mas caramba, era arte e publicamente se dizia o que ia no ventre do pensamento, o mais público possível. Será que estas línguas contemporâneas também andam a lutar por ser estilo literário e não me dei conta, e estou a passar por grande ignorante ao escrever estas humildes palavras? Ora bolas para mim.

Há muito que nas costas dos outros vejo as minhas, cravadinhas de má língua. É vida. Por isso decidi deixar de alimentar conversas onde o tema seja alguém que não está na conversa. O silêncio é de ouro, acreditem. Óbvio que já embarquei nestas infelizes tacadas de péssima personalidade, e lamento-me por isso. Mas como acredito sempre na mudança, há uns anos decidi mudar de rota.
Estratégias. Bom, a vida dos outros só é interessante se a minha for o desinteresse por completo, por isso, invisto na minha vida. Não é por encher a vida de gente que estou mais acompanhado, por isso, só me acompanham os essenciais à minha felicidade. Curiosamente são cada vez menos…Tenho feito uma espécie de purga social, tem de ser. Há vários preços a pagar com estas estratégias, acreditem, mas na balança das relações, vale bem a pena. Fico mais leve, e leveza nunca fez mal à alma. Mas aos 43 anos sinto que está mais do que na hora. Sou contra o falarem desde que falem, e dispenso que falem cobertos pela falsa misericórdia do “ não é por mal…” Caladinhos, caladinhos é que estão bem os que não têm mais vida do que alguém!!!

Quem não é visto não é falado. Acreditem, vale a pena tentar. Para todos os que não sabem o que fazer com a língua, deixo o link de uma bela música e um ótimo vídeo.