segunda-feira, março 21, 2016

O AMOR NUM PALAVRÃO

Ora viva



O amor é fodido, quem o diz é Miguel Esteves Cardoso. Ele pode definir assim. Eu não. Mas posso citar. Por pudor, usarei o F. sempre que parafrasear o Miguel. O desamor ainda é mais F. E quem sofre de desamor é uma pessoa F. Todos conhecemos gente não amada e isso criou-lhes amargura no peito, rancor no olhar, ações medíocres. 

O amor cura tudo, a falta de amor tudo adoece. Não há melhor do que ser amado, chegar a casa e ser abraçado, ter janelas cheias de beijos, bilhetes de surpresa, mãos dadas na aventura e nos sonhos, uma cama quente. Amar é pleno de quem nos cuida e de quem cuidamos. O amor passa a ser F. quando é tanto que não nos cabe no peito, o excesso de amor não estraga, purifica. A falta de amor azeda, fede a rancor e a vómito. 

Pessoas mal-amadas cheiram mal, tresandam a uma espécie de solidão merecida porque nunca souberam o que é a maravilha de amar e ser amado. Por tudo isto, o Amor é fodido quando o lugar do amor está vazio, carregado de pó. 

Quem não tem amor, quem não é amado é só um poço seco, um buraco no meio da terra que não serve para nada, a não ser para ser perigoso. Cada um tem o amor que merece!

divirta-se

segunda-feira, fevereiro 15, 2016

INVEJA

Ora viva


Constatei que a felicidade cria inveja. Se a felicidade do outro não interferir na minha, tudo bem, mas se toca na minha alegria, eis que se torna um problema. Medíocres. Sermos medianos na capacidade de ser feliz, corta-nos as asas de um universo construtivo. Quanto mais saudável e feliz o mundo for, mas eu serei também. O sucesso dos meus colegas de trabalho, será o meu. A realização dos meus amigos no amor, será a minha. A prosperidade do negócio do meu vizinho será a minha prosperidade. 
O mundo não é a minha circunstância. 

Eu acredito na boa vontade, nos bons valores, no dar que recebe, no recebe que dá. Eu incluo-me nos invejosos. Mais tarde ou mais cedo… Odeio a inveja. Amo a felicidade. Mas a verdade é que tenho tropeçado em muitos invejosos. Ainda estou a pensar se os contorno, na indiferença; ou se passo por cima, para ver as vistas!

abraço

quinta-feira, dezembro 17, 2015

O Natal passou a ser irritante

Ora viva



O Natal é irritantemente bonito e bom. Só porque permite que sejamos bonitos e bons uma vez, com a justificação de que mais vale uma vez bom, do que nenhuma. E lá nos deixamos levar pelas ondas solidárias, os cabazes de consoada, as mantas para os sem-abrigo, os jantares bem querentes. Dia 1 de Janeiro. Não temos tempo, adorava ajudar mas…, as luzes pisca pisca apagam-se e o nosso mundinho fica às escuras, o nosso e o dos que no Natal beneficiaram da solidariedade das Marias que vão com as outras. Batemos palmas e somos todos felizes no Natal.

As empresas ganham fortunas com a solidariedade. As pessoas ganham fortunas por ajudarem e os designados necessitados ficam felizes uma vez por ano. E batemos palminhas.
Eu não sei se concordo com a ideia: antes fazer o bem uma vez, do que nunca. Eu não sei se gosto da solidariedade calendarizada e natalícia.

Contudo, ajudar é sempre ajudar. Quem precisa, uma única ajudada é abissalmente melhor do que nenhuma. Se gosto do circo à volta tudo isto, e com presépio e árvore de Natal? Este ano acho que não gosto. Acho mesmo que odeio, e odiar é tão feio numa altura de paz, amor e esperança (citação de um postal de Natal).

Há ilhas humanas que são Natal todos os dias, e que estão caladas, resguardadas das bocas do mundo, e são Natal sempre. Eu sei. Mas longe de serem a maioria. Longe de contagiarem o mundo por esta bondade.


Eu faço parte de todos estes esquemas estratégicos de ser solidário. Não sei é se me apetece para o ano. Todas as palavras que escrevi são para mim, também. Os 40 são tramados.

Feliz Natal

Palminhas! J

domingo, novembro 29, 2015

MUITA CONVERSA

Ora viva


Globalmente as pessoas falam muito. Eu falo muito, nos dias de hoje. Contrario-me, mas falo. Portanto, as pessoas ouvem pouco. Sempre fui uma pessoa na linha das pessoas caladas, e virei apresentador, o tipo que fala. Falar para televisão, não é falar socialmente. Estas minhas palavras refletem sobre as conversas sociais, entre amigos, a família, conhecidos, trabalho. Eu gosto de gente sintética, intensa e sintética. 

Podemos ser objetivos sobre qualquer assunto sem dar a volta o mundo para voltar ao mesmo dito assunto. Ser rápido na conversa, não tem de ser atabalhoado, a despachar. Nada disso. Ser rápido na conversa incentiva a atenção do nosso ouvinte. Óbvio, ninguém tem paciência para quem usa os verbos e adjetivos de todo o dicionário para falar de uma ida à mercearia.


Há também os que falam muito e de tudo. Não. Silêncio. Por favor. Um pouco de silêncio que nos ensine a ouvir. Calados também estamos bem. Nem tudo precisa da nossa opinião. Silêncio, porque se pode cantar o fado, a qualquer instante.

abraço

domingo, novembro 22, 2015

Paris

Ora viva

Todos podíamos ser Paris. Estive, pela RTP, em reportagem onde 7 atentados mataram gente como nós. Nunca terei palavras para um cenário de morte num sítio onde deveria haver luz e festa. As pessoas que morreram estavam a viver, tranquilamente, e morreram, aterradoramente.

O que aconteceu em Paris, acontece em todo o mundo, num mundo mais pobre, menos político, menos interessante mediaticamente. As mortes por atos de terrorismo cresceram muito. Mas nem de todas as mortes ouvimos falar. Outras mortes, longe de Paris, de gente como nós. Nem sabemos os sítios, nem vos digo agora, porque não escrevo aqui para informar, mas para pensar alto. Pesquisem, vão ficar assustados, e tristes por não se aperceberem que Paris é uma entre tantas feridas.
Ver os rostos de quem morreu, e que só estava a jantar com a namorada, é inquietante. Morrer porque se estava no sítio errado; provavelmente era um casal que tinha primos muçulmanos  e que naquela noite, juntos, iam fazer uma vigília contra a violência.

O mundo é pequeno. Na dor e na paz. Nós não estamos longe de nada disto. Estamos perto e fazemos parte desta história.




Abraço

terça-feira, outubro 13, 2015

SOL

Ora viva



A vida podia ser menos que o sol, mas não é. Com o sol, vem as coisas e pessoas que encontramos e olhamos. Com o sol vem o alimento do lado feliz da vida, uma vida em flor. Com o sol vem a casa luminosa, o brilho dos objetos, a transparência, o sabor do mar, a pele morna. 

O sol de todo o ano sabe-me a vida, a vontade de abrir janelas e portas. O sol alimenta-me a vontade. A luz é solene e mostra caminho.



Um dia luminoso é um dia com certezas e confiança. O sol amansa a alma. Convida a esticar a pele e deixar que a luminosidade nos aqueça. O sol é uma melodia constante de boas vontades; não será isto tudo o que precisamos para conseguir a felicidade?

abraço

terça-feira, outubro 06, 2015

A minha mãe

Ora viva



A minha mãe é um mundo, as mães são um mundo. A minha vai à luta, tem 79 anos de vida dura, nunca lhe deram nada, tudo o que tem foi conquistado por ela, até a vida de cada dia. A minha mãe enche a minha alma de segurança, a mesma que eu precisava quando chegava de um dia de escola e, com urgência, precisava do colo da minha mãe. 

Quando tinha 12 anos fui para o seminário, passava uma semana longe do regaço da mãe; lembro-me, como se fosse hoje, das despedidas semanais. A minha mãe dava-me um beijo e um abraço, nesse gesto colocava o amor que não podia dar-me durante a semana em que eu estava no seminário. Essa injecção de amor durava-me toda a semana; em bom da verdade a quarta-feira era o dia em que eu precisava do seu amor, porque já ia longa a semana. Era à quarta-feira que a minha mãe me podia ligar para o seminário e nesse dia recebia novo carregamento de amor. 

Ainda hoje é assim. A minha mãe abastece o meu coração de amor, determinação, garra, responsabilidade e perseverança. Aquilo que a vida nos dá, é aquilo pelo qual lutamos; foi sempre o que aprendi da minha mãe, Margarida de nome.

Um abraço