domingo, fevereiro 10, 2019

SOBRE A MÚSICA DE MIM






        

       




A música nasceu na minha vida, quando me apercebi que as palavras podiam ser um som harmonioso, musical. Um poema cantado é das expressões artísticas mais plenas que posso consciencializar.
Estudei canto gregoriano, e aí, ao ler uma pauta, apercebi-me da força de uma sílaba dita com a escala de uma nota, numa sintonia de vozes, cantadas por gente que nem sempre estava em plena harmonia. Cantar uma peça de gregoriano na Sé Catedral do Porto, é das experiências mais conciliadoras que alguma vez experimentei. Deus despojado de arranjos.

Quando abandonei a minha vocação, a música continuava a vibrar-me No sangue, estudei canto na escola de jazz do porto, tive professores de todo o mundo. Aí apercebi-me da universalidade da música e da identidade da mesma. Uma professora alemã, de uma rigidez atroz, onde a regra fazia sentido. Ou era ou não era, como na vida. E uma doce professora brasileira, de candura no poema a lembrar uma Elis de sempre. A minha banda, Pólen, surge por estes anos, já lá vão mais de 20. Pelo caminho estudei piano e guitarra, um péssimo músico instrumental!

A música era a parte mais expressiva da minha comunicação. Anos mais tarde estudei canto à capela, quanto menos, melhor. Eduquei a afinação. Ouvi-me. Há um autismo de discurso que perdemos quando ganhamos consciência da voz. Dei o tempo necessário e passei para para canto lírico, sempre fui barítono, havia que abrir os pulmões e explorar a minha cabeça, como difusora de som e não só de ideias. Tornei-me caixa da minha própria voz. Eu era dos que falava baixo. No lírico aprendi que o corpo não é o que te define, é a tua voz, chegar ao fundo da sala sem gritar, colocar-me na acentuação musical certa e determinada. Ainda uso esta técnica para fazer televisão e para ir ao mercado, temos de saber o que queremos, muda a escala!

Anos mais tarde voltei ao jazz, mas com aulas privadas, queria um professor a olhar para mim e dar-me o ritmo libertino, africano e americano, das boas regras do jazz. Educar a abertura de boca, a colocação da simplicidade nas palavras, um despir-me de adereços. E eis-me no ponto que sempre quis. Faço da minha voz o que quero, como quero. Sei dos meus limites, sei da minha estética vocal, conheço o meu aparelho. A música, tem menos palco nos meus dias, mas ganhou mais ouvido, mais recato. Nem sempre ter é conquistar. Sou mais homem, na plenitude da humanidade e espiritualidade que me constitui, porque sou músico. Não pelas músicas que fiz, poemas de musiquei, ou palcos onde cantei; sou mais porque pela música percebo o silêncio, o único lugar a partir do qual a música e a vida se compõem. 

Abraço

HR





segunda-feira, janeiro 28, 2019

A força da lareira





Há um momento em senti, agora sou adulto. Quando tive a minha lareira, a acendi, abri um vinho tinto, e usufrui sozinho, à hora que eu quis. Fiz-me homem. É, não foi preciso muito mais.

A liberdade do fazer tem um preço inquestionável. A determinação em conquistar essa liberdade é a prova dos nove de que se é capaz, até pode não apetecer mais. Nunca o lume me aqueceu tanto. Acender uma lareira tem ciência. A lenha miúda no princípio, depois um ou dois paus bem secos e mais adiante um tronco que lhe dê o sustento para o tempo.

Mas o mais importante é que a lenha que vais usar foste tu que a conseguiste. Neste momento és independente.  Porque o fogo que te aquece a casa foi gerado por ti.

Parece simples. Eu sei. Mas não é. Há muita lenha verde a ser vendida como seca e tanta lareira que se abafa no próprio fumo.

HR

terça-feira, janeiro 15, 2019

Liberdade

Deixa que os pássaros te alimentem de liberdade
Deixa-te ter as asas dos bandos que te invocaram
Abre o peito à loucura de seres tu
Mais pássaro que homem
Mais homem que animal
   HR

segunda-feira, janeiro 14, 2019

ROSTOS DE S. TOMÉ






Leve leve. Quem vai a S. Tomé não ouve outra coisa. Um povo doce, um país que explode de verde e tropicalidade, uma pobreza que dói, e sempre um leve leve na boca, como se fosse um credo. Olhos sempre meigos e generosos. Sorriso no lábio escuro e um ritmo acesso no pé.

Quando lá cheguei consegui um guia, na verdade era um jovem que conhecia bem a ilha, e mostrou-a como se fosse a sua casa. Leve leve é o que diz a gente dele. A vida é dura, muito dura, mas levam tudo leve, um mergulho na baia, uma fruta da mata, e amanhã logo se verá. Mas como pode ser leve quando vos falta tanto... Falta? Não falta não, nunca tivemos, não pode faltar. leve leve

Tentei cumprir este leve leve no meu regresso, como se fosse resolução de novo ano. Não consegui. Tenho coisas a mais, na casa e na alma, o que me faz parecer que tudo me faz falta, e sem isso... é pesado o peso da vida. Tenho mesmo de fazer uma limpeza para dar espaço ao leve leve de S. Tomé e Príncipe.

terça-feira, janeiro 08, 2019

CONVERSAS DE ALMA

                                                                                      nos meus 9 anos

O que levas na alma? A minha é pequena, cada vez mais pequena. Disse-me um homem que a alma encolhia com o tempo. E o que levas nela? Levo o essencial, os essenciais, na verdade amor e pouco mais. Disse-me uma mulher que na alma se pode plantar... Pois isso não sei bem, ou até sou capaz de saber, agora que penso. Plantei há dias umas raízes de humildade e honestidade, têm se dado bem, e até parece que a minha alma ganhou outro brilho. Pois foi, plantei na alma, e pegou, como se fosse terra fértil. Achas que a alma é um barco ou um pássaro? Sempre a imaginei como um barco com asas, mas há dias em que é um barco com raízes, olha, depende dos dias. E tu o que levas na tua alma? Eu? Nem sabia que se levavam coisas na alma. Não são coisas. Então? São alimentos para o mais eterno de nós. Queres dizer-me que agora a eternidade também come. É uma outra fome, como a que temos em criança de sermos o que havemos de ser. E a alma, terá fome? Isso não sei. Só sei que tem tempo, tempo tem; tem o tempo para deixar passados e encher balões para o futuro. Tudo na mesma alma? Sim. Só temos uma. Os gatos é que têm 7 vidas e 7 almas. Estás a falar a sério? Claro. Não brinca com coisas da alma!!

quarta-feira, dezembro 19, 2018

CASA, CHÁ, BOLACHAS E LIMÃO.



A desilusão é o ponto mais alto da expectativa. As pessoas peritas na arte do desiludir são os amigos, a família, a cara metade, e nós mesmos. Há lá pior desilusão do que a nossa para com o próprio ego?  Dói que se farta e não aprendemos a lição. Por acaso, e pensando bem, até pode haver, e não aprendemos a lição na mesma. A solução que encontro para esta maleita da alma? A casa.


Vivo na mesma casa desde que a decidi ter. Entra nela quem me diz muito, já tenho alguns arrependimentos. Da minha casa só eu sei, incluindo o que se passa nela! ( sorrisos) Entrar na minha casa é o antídoto que encontrei para a desilusão, os dias aflitos, as palavras engasgadas, a dor dos que amamos e nada podemos fazer, a construção dos sonhos, as alegrias que só cá dentro quero partilhar, a festa que faço sem alaridos sociais. Um retiro, é isso que gosto de fazer da minha casa e nela. Respirar as coisas do meu tempo, as minhas histórias, as plantas que cuido para ver se elas cuidam de mim, as almofadas com livros, as músicas de sempre, a cozinha à espera da receita, as mantas de inverno e até as de verão, as velas mornas que aquecem o coração. A luz, sobretudo gosto de olhar para a luz que só da minha casa vejo, como o principezinho ( mais sorrisos).

Gosto do silêncio, da oração que faço, do repensar o dia e antever o próximo, jantar com toda a calma do mundo, fazer bolos tarde, muito tarde, abrir vinho, ler vários livros numa hora, ver séries seguidas, tomar banho demorado. Parar dentro de mim. Amar. A casa é o único sítio para ser amado e amar, do coração para fora da boca e dos olhos. Não sei se já sentiram este amor.

Recomendo. Vivam a casa, para mais do que um sono rápido. Quanto ao chá, as bolachas e o limão( do titulo deste texto) é uma receita para quem gosta da prática do "sofazar"!

Casem muito! :))

PS: a obra da foto é da artista plástica Iva Viana, e a mesma vive nas minhas paredes! 

HR


segunda-feira, dezembro 10, 2018

Quando és adulto?




                                                                                       eu.10 anos



Lembro-me de ser pequeno e pensar, quando é que serei velho? Senti que era adulto quando assinei, no hospital, a responsabilidade de acompanhar o meu pai e quando lhe recolhi o saco de pertences. Senti que era adulto no dia em que dei o primeiro jantar, na minha casa, aos meus pais. Fui adulto no funeral do meu pai, e abracei a minha mãe. Senti-me velho, quando me coube decidir regressos do hospital de um dos meus pais. Fui adulto na hora de sair de casa, de deixar o seminário e descobrir um caminho novo, nos caminhos do meu tempo. Senti-me incomensuravelmente adulto quando soube aquilo que não queria para a minha vida, mesmo não sabendo o que queria. Fui adulto ao perceber o valor da cafeteira que há 50 anos fazia o café de casa, porque afinal era amor que ela fazia, e não só café! Sou adulto ao plantar e regar as árvores da minha vida. Senti-me velho quando completei a minha cozinha, e nela se faz tudo como na da minha mãe.

Fui adulto, quando na RTP, há uns bons anos, uma direcção me disse que eu já era velho para uma carreira, e usei da minha "adultez" e provei que cabe-me a mim decidir o meu futuro, não aos outros.  E aqui estou. Fui adulto quando escrevi o meu primeiro livro e enviei para a RTP, e assim me descobriu o Manuel Luís. Fui tão adulto quando adoptei o meu primeiro cachorro. Senti-me velho, quando abracei a minha mãe para a colocar na cadeira de rodas, mesmo não sendo o filho mais velho. Fui adulto ao fazer o presépio de casa, desde que a minha mãe já não consegue assegurar a magia do Natal. Fui adulto ao deixar para trás as pessoas que me arrastavam para baixo de uma vida que não era a minha. Sou velho todos os dias que seguro as mãos da minha mãe. Fui adulto no primeiro amo-te que disse, e dura até hoje. Sou velho nas lágrimas que já não sei chorar e sou adulto ao pensar em tudo o que digo, mas deixar pouco por dizer.

Sou velho ao amar as coisas do antigamente e adulto ao querer perpetua-las. Sou adulto no amor que alimento e nos nãos que aprendi a dizer. Fui adulto no dia em que abandonei um dos maiores sonhos da minha vida. Sou velho para sonhar fazer coisas que devia ter feito em novo, mas sonhar nas que a minha vida de agora pede.

Sou velho para perceber que nem todo o meu sorriso vem da alma, porque nem sempre vale a pena saber o que a minha alma diz. Sou adulto ao saber o que sou, e mesmo assim, reconhecer que nem tudo o que sou vale a pena, para isso envelhecerei para me ser maior.

HR