terça-feira, setembro 06, 2022

VIVO COM A DOENÇA DE MÉNIÈRE

 

Ora viva

É, sou doente ménière. Não é grave, mas, por vezes é violento. Há muita gente a padecer desta doença. Zumbidos, vertigens, perda de audição. Não é um drama, mas não é canja. Solução? Não há. Medicação, bons médicos, dieta, muito desporto e reduzir o stress. Não cura, mas atenua. Assim tenho de viver, com o que a vida dá, e não dá, e fazer disso coisas boas. Como ver na doença coisa boa? Pois, não sei, mas vejo coisas boas em fazer mais desporto, ter mais cuidado com o que como, ouvir mais o meu corpo, cultivar a calma, relativizar. Ter mais atenção, isso é bom. Não?

Não só minimiza o ménière como ajuda na vida toda, e eu gosto de olhar para a minha vida como um todo. Não temos tesouro maior do que a saúde. A que temos, não é a que adorávamos ter. Estimar o corpo, ter tempo para amar, viver, ter calma na respiração. Parar. Só tenho este corpo, esta vida, e este momento; não posso dar cabo de tudo com inconsequências e perdas de tempo. A minha vida é agora. Não é só no ménière, aplico a tudo, TUDO. Que se lixe a correria e o era para ontem. Nada está primeiro do que a minha saúde, porque sem ela, tudo o resto não rola...

Quem está comigo? :)

segunda-feira, julho 25, 2022

Nunca gostei de homenagens, mas...

 


É a mais pura das verdades. Não gosto de festas surpresa, homenagens e elogios. Mas apercebi-me que a recusa a quem nos quer fazer este agrado é um sinal de muita arrogância e pouca humildade. Como cultivo a gratidão e a humildade, aceitei a recente medalha de mérito cultural, oferecida pela câmara de Ovar, na pessoa do presidente Salvador Malheiro. Aceitei porque o Salvador Malheiro é um homem por quem nutro muito respeito. Aceitei porque era uma forma de eu cultivar os valores da responsabilidade, da capacidade de criticar, de me envolver, de ser mais humilde e melhor cidadão. Aceitei porque assim sou chamado a dar mais pela terra do meu pai, e concelho do meu berço, a cidade de Esmoriz. 

Ovar é a cidade do azulejo, do mar, do cantar dos reis, do carnaval. É uma cidade feita de cor, praças pequenas com árvores antigas, recantos que apetece guardar e comércio tradicional. É um encanto de uma cidade. Quando era filho, ia com os meus pais fazer vida em Ovar, que dias felizes. Foi na biblioteca de Ovar que preparei grande parte da minha tese de Teologia. O furadouro, a sua praia. Os vareiros, a sua gente, nós que lhe conhecemos o sal.

Aceitei. Recebi a medalha e ficou a vontade de abrir as muitas ideias que tenho para esta terra, como cidadão. Tenho críticas a construir. Por tudo isto aceitar foi importante, é uma vaidade boa, a que incentiva a ser melhor. É preciso saber receber, tão importante como saber dar.

quinta-feira, maio 26, 2022

O SILÊNCIO CALA


 Comecei a ler o incrível livro A BIOGRAFIA DO SILÊNCIO. Recomendo, pensava eu que sabia muito desta arte! Sempre fui dado a esta prática. Tive uma infância muito feliz, cheia de amigos, na rua, na praia; mas lembro-me bem de passar belas tardes sozinho, com as minhas coisas, a desenhar os meus sonhos, calado e sossegado. Não sou dos calados, sou dos que fazem silêncio, como prática, como estratégia, como arma. O silêncio é uma singela e pertinente luz de presença na nossa mente. Eu acho que a voz da alma é o silêncio, por isso nunca fica rouca. Tenho a tentação de falar sobre as pessoas que disparam palavras, atropelam a conversa dos outros, e são péssimos ouvintes, mas satisfaz-me referencia-los...

No seminário fazíamos uma semana de retiro em silêncio, mais do que uma vez por ano. Na altura, não percebia a validade; curiosamente, hoje, olho para esses dias como períodos de elevada maturação, como se fossem a estufa do meu ser. Estar calado tanto tempo, tantas vezes, tantos anos, edificou-me. Nunca tenham receio do silêncio, recomendo prevenção face aos ininterruptamente barulhentos.

Até já.

terça-feira, abril 12, 2022

A vida pela metade?


 

A vida não tem medidas para ser metade.

Ou é inteira ou não é nada.

Ou sofremos ou sorrimos.

Não podes sofrer e rir ao mesmo tempo.

Não podes viver a meio tempo e o outro meio morreres.

São poucos os que vivem mortos, mas ainda os há. 

Ou morreram de amor, ou lhes mataram o amor. Neste caso, a vida pode ser metade.

O amor é o único apocalipse das metades permitidas.


Hélder Reis



segunda-feira, março 07, 2022

MORREU UMA PLANTA, NASCEU UM JARDIM



Há anos que cultivo a prática de ter plantas em casa. Recomendo. Não tenha muitas, tenha as que consegue cuidar. Que até podem ser muitas! Mas uma basta. As plantas enchem-nos a casa de raízes de amor, pureza, resiliência, sabedoria, paciência, pureza e serenidade. A minha mãe sempre teve muitos vasos de interior, e exterior. Era um amor às folhas, à terra, à semente. Quanto mais envelheço melhor percebo. Pouco depois da morte da minha mãe, fui buscar um vaso da sala. Chamei-lhe Margarida. Eu só queria que a margarida vivesse. Vivesse tudo o que a minha mãe já não viveria. No mês em que fez dois anos sem a minha mãe, a margarida em vaso começou a morrer, e morreu-me. Faz parte, eu sabia. Hoje decidi semear margaridas e procurar uma planta igual à minha margarida, em vaso. Irei conseguir. Para já as margaridas estão na terra para nascer. Porque da terra nasce a vida. E hoje, sem saber, ou até sabendo, um amigo do coração ofereceu-me uma toalha de mesa... com margaridas. É para isto que nos servem os amigos. Não para nos serem úteis, mas para serem atentos, delicados e oportunos no amor. 
A amizade não substitui nada, enganei-me durante anos. A amizade não é a  família que escolhi, porque perdi o conceito de família. A amizade dá-nos flores que não morrem mas que enchem uma casa de vida e festa, à volta de uma mesa e de um coração, mesmo que o coração ainda esteja ferido pela ausência eterna, aqui sei que a eternidade existe.
Sorrio, porque tenho um vaso com sementes de margaridas, e uma toalha com margaridas estampadas, e um amigo que sabe da respiração luminosa de uma flor.

Até amanhã.

quinta-feira, fevereiro 03, 2022

UM DIA FELIZ...

 

O que é um dia feliz? É aquele em que ganhas, em que arrumas, ou até em que perdes? O que é? Como se faz de um dia, um dia feliz? As coisas esfumam-se, é como quando recebíamos os presentes de natal em criança, eram incríveis até tirar da caixa, depois... nada. Então, o que fica para um dia feliz?

Nos meus 40 anos, um dia feliz, era cheio de trabalho, planos, projetos, a correr, muito muito muito. Agora, quase nos meus 50, é o tempo que me faz feliz. Nem sempre, mas quase sempre. Ter tempo é o maior luxo que a vida nos pode dar. Porque se tens tempo, tens vida para o gozar, e com a vida vem tudo. Não precisa de ser muito, só precisa de vir com calma. Como um colchão de ar numa água transparente...


Até já.

Hélder

domingo, janeiro 30, 2022

DE QUE NOS VALE A SAUDADE

 



Se não vale a pena, não vale. A saudade ata-me ao que já não sou, não tenho, não estou. Principalmente a quem já não tenho. 2 anos sem mãe. Desde que me morreu, e que nunca perguntei porquê, só sinto que as mães nunca deveriam morrer. A ciência devia também conseguir uma vacina de permanência das mães junto de nós. A dizerem para vestirmos o casaco antes de sairmos, a saberem se já almoçamos, para onde vamos e que estamos muito magros. Caramba, que saudades de me perguntares o que fiz hoje, para onde vou amanhã, o que vou vestir. Saudades de me olhares em silêncio, a saberes dizer tudo em silêncio. Que saudades de ver os teus olhos pequenos, do tamanho do mundo e de estares sempre inquieta com as ondas do mar, do teu mar. Mãe, as tuas margaridas, da porta de entrada estão quase em flor, mãe, não à tua espera, porque já não vais entrar em casa, mas a dizer que nunca saíste dela.

 2 anos é muito tempo sem ti e tão pouco para me curar da tua falta.